Uma nova onda antissemita abala a Europa

A tendência fermenta em primeiro lugar na França, mas também em outros bolsões pelo continente.
Dois eventos levaram os europeus em má sintonia com a realidade a acordar: o antissemitismo não acabou com a Segunda Guerra Mundial. No sábado 14, um atentado duplo deixou dois mortos e cinco feridos em uma sinagoga e em um centro cultural, em Copenhague.

No domingo 15, centenas de túmulos foram profanados no cemitério judaico de Sarre-Union, na Alsácia, noroeste da França. Pouco mais de um mês atrás, outro islamita radical tirou a vida de quatro franceses de confissão judaica em um supermercado kosher, em Paris. Naqueles dias de terror, houve dois outros atentados, sempre na capital francesa, a envolver no mínimo três terroristas franceses de ascendência árabe. Assim, outras 13 pessoas inocentes foram assassinadas, incluídos os caricaturistas do Charlie Hebdo. Leia matéria na íntegra.